Jorge Cabral

JULGUES E SERÁS JULGADO

O aforismo cristão de não julgar os outros, tem ao meu ver em sua acepção, que não devemos condenar os outros moralmente de modo objetivo, pois não temos a capacidade de mensurar as razões intrínsecas dos comportamentos daqueles que observamos superficialmente. Evidente que a sociedade impõe regras de condutas e a estas devemos obediência, sob pena de sofrermos sanções em seus julgamentos. No entanto, não julgar, é contrariar a essência humana das próprias escolhas e preferências, fato que é inerente à qualquer pessoa. A Neurociência informa que nosso cérebro julga a tudo e a todos, o tempo todo.
Utilizando muitas vezes a parte que comanda nossos estímulos das intuições e percepções achando que estamos exercendo a razão em determinadas escolhas em nossas avaliações. Por incrível que possa parecer, o cérebro funciona como se tivesse vida própria, em alguns casos poupa-nos de incômodos e energias para que não a desperdicemos em exames conflitantes .
Razão inclusive, de alguns julgamentos contrariarem nossos pensamentos. Prefere o cérebro sempre permanecer na zona de conforto, onde estão sedimentadas algumas escolhas, sem que haja mais necessidade de esforço no entendimento e compreensão para tratar um assunto de outro modo por ser mais complexo. Não estamos isentos de parciais julgamentos, ainda mais numa sociedade que alimenta-se dos seus tormentos em visões propositadamente distorcidas, onde cada vez a faz mais dividida.
Todos sem distinção de raças estão segregados, levantam-se bandeiras do pudor, outros sofrem pelas feridas abertas por causa de sua dor. Condena-se a quem não gostamos, porque é fácil condenar humilhar e massacrar quem não é por nós amado, pois nesta hora não há certo ou errado só lado, quem não estiver comigo emparelhado em qualquer hipótese deve ser condenado.
Por isso o julgamento de todos é inexorável, assim ao julgar, preste bem atenção, paciência e tolerância, mais que entender é tentar compreender, verás que tens um cisco no olho, e a medida curta, para a noção e a visão exata do que estiver condenando.

Jorge Claudio Cabral
Advogado e Escritor

Posts recentes

Ver tudo

Jorge Cabral

Dos precatórios e das mortes A brutalidade no descaso com a população, às vezes leva o indivíduo à morte pela falta do cumprimento das decisões judiciais em que a Fazenda Pública é a devedora nos cham

Coluna do Cabral

REENCONTROS DO TEMPO A Teoria da Relatividade ensinou que o tempo não é absoluto no universo, considerando que nele estamos inserido, independente da influência gravitacional, presenciamos seus efe

Jorge Cabral

Guerra é Paz Este ano o livro de ficção com o título “1984” de George Orwell passou a ser de domínio público no Brasil, pela ocorrência dos setenta anos da morte do escritor. O livro é ambien

ÚLTIMAS NOTÍCIAS