UMA QUESTÃO SEMÂNTICA. E SÓ? - Walter Galvani


De vez em quando a gente se defronta com questões, algumas delas suficientemente assustadoras que podem nos levar às mais abstrusas e chocantes reações. Agora mesmo fiquei tentado a explicar esta invasão do ilógico na sociedade brasileira, como um desses efeitos. Ou então, escrever rechaçando o que nos vem do Planalto, como uma simples experiência, um teste para verificar se os brasileiros estão mesmo acordados ou se fingem de loucos, e dormem ficticiamente ...

É mais ou menos como um jogo de crianças e pronto despertarão assim que os mais velhos e ou mais experientes, cobrarem uma atitude mais digna e condizente com o estado geral das coisas.

Quando morrem duas garotas por meningite e as famílias atingidas, são compelidas a pedir perdão, como se fossem elas as culpadas pelas tragédias que fizeram sua infelicidade ou simplesmente sejam obrigadas a engolir o que algum ministro insiste em dizer que é preciso “seguir em frente” e vemos que tudo não passa de uma questão semântica, é preciso pensar duas vezes antes da explosão e a ira que naturalmente deve brotar deste rolo todo, vai ficar segregada, enquanto os líderes viajam e pregam a igualdade política entre Direita e Esquerda.

Difícil aceitar e é o caldo que esta geleia geral oferece não é a solução para os que agem com seriedade e patriotismo verdadeiro e que diferem em muito daqueles que são capazes de traçar a fronteira entre uma atitude e outra como apenas uma questão semântica.

Nazismo e comunismo não são facetas da mesma laranja, Direita e Esquerda sequer se cruzam na praça. Ingenuidade não é o nome do povo brasileiro... Nem o apelido. Isso não é uma questão puramente semântica....


Coluna publicada em abril de 2019 - Galvani está hospitalizado.



Posts recentes

Ver tudo

Walter Galvani

Cueca, caleçon, slip Começo dizendo, para os que não me conhecem na intimidade, mas sim pela distância automática das letras impressas, que nasci em 1934, portanto onze anos do fim da guerra que marco

Como manda o figurino

Passei uma temporada em hospital de Porto Alegre. Do qual só tenho registros favoráveis. Não falo em saudades, porque, de uma casa de saúde, por melhor que tenha sido o tratamento, o importante é a re

Ao Mestre Galvani, nossa reverência.

Esta é uma crônica sobre as relações humanas! Tenho a honra de substituir, temporariamente, o titular desta coluna. Uma honra em todos os sentidos, por ocupar seu espaço, por ter sido convidado para e

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Receba nossas atualizações

51 99616 7059

  • Branca Ícone Instagram
  • arroba

© 2020 by Bittencourt Branding | Nova Folha Regional | All Rights Reserved