• Nova Folha Regional

Walter Galvani

DEU PRA TI, 2020...


Nos meus bons tempos de meninice e bruxaria, eu pegaria um ano como esse de 2020 e jogava-o no lixo dos lixos, naquele monturo de sacos usados e que não trazem nada de bom para seu ano seguinte. Podemos fazer isso? Será que o 2020, não deixou nada mesmo de herança ou patamar para a largada do novo ano?
Fico em dúvida. Cofio o cavanhaque imaginário que tapa o meu queixo e coço a parte de trás das orelhas, ajeito os óculos, limpo-os com um algodãozinho jeitoso, deixo a imaginação flutuar à minha frente, ouço as conversas alheias, estremeço com a dose de realidade que parecem conter, me ponho genuflexo (que expressão latina perfeita!...) Lá fora passa um carro desses de venda de produtos na porta com o condutor transmitindo numa gravação o que tem para oferecer e até o que não tem mais...não importa e segue adiante em sua faina imparável.
Parece que leio em toda a parte, “o que passou, passou” e chorar não adianta. Resta começar de novo, refazer o que for possível, refazer o que der e seguir adiante.
Mesmo uma pequena tarefa parece grandiosa, o que seria sentar ao computador e pronto, em dois toques estaria redigida a nova colaboração e eu deixaria a imaginação correr, correr, voar como nos tempos em que eu que mantinha uma agência de publicidade justamente com o nome de “Imagem & Ação” e a pouco secreta esperança de que ela crescesse e ganhasse autonomia para me fazer voar mais e mais em “imaginação”... “imagem e ação” e eu sair doido no espaço, como atrás de uma borboleta ou um raio de luar, querendo imobilizá-los e deixá-los congelar em toda a extensão do termo e assim fazer brotar minha reação.
Mas, isso não acontece. Estou eu, sim, congelado dentro de uma bola de espanto e esperança, na certeza de que sairei daqui batizado e crismado para uma nova experiência de espaço e crença.
Sei – espero... – que se produza o milagre de comunicar o que de fato sonho, esquecendo todos esses obstáculos que a falta de lua coloca em nosso caminho.
O mais não sei. Fica para a semana que vem ou para sempre. Para uma volta e meia dos ponteiros ou o despencar das minhas estantes que não suportam mais a arrecadação de livros e que cresce sem parar e sem nenhuma perspectiva de que um empate entre o seu crescimento e a minha leitura se dê para todo e sempre.
-----------------X--------------------
Sim, eu sei,é assim mesmo a vida e quando optei por esta silenciosa maneira de alinhar o pouco que sei com o muito que quero saber, o tamanho e o número dos volumes com a altura das minhas estantes, o tempo de que disponho e a vida que me resta, a vontade que tenho e a certeza da minha impossibilidade, naufraguei.
No sentido puro e simples de um barco que se despede e agita a bandeirola do mastro principal, mas se foram as velas e as pessoas, os remos e os cascos salvadores.
Escrever adeus, não resolve. Na semana que vem estarei aqui outra vez, e enquanto vida houver (do meu lado) agitarei os remos e assoprarei as nuvens...
O milagre, por mais indigesto ou cristão que me pareça, é o caminho para quem, busca a ressurreição junto com a redenção..

Posts recentes

Ver tudo

Walter Galvani

O ÚLTIMO QUE SAIR APAGA A LUZ... No jornalismo, quem não convive com o dia-a-dia de uma redação, não pode nem imaginar que se produzam episódios que levem os profissionais a se queixarem aos seus comp

Walter Galvani

Cueca, caleçon, slip Começo dizendo, para os que não me conhecem na intimidade, mas sim pela distância automática das letras impressas, que nasci em 1934, portanto onze anos do fim da guerra que marco

Como manda o figurino

Passei uma temporada em hospital de Porto Alegre. Do qual só tenho registros favoráveis. Não falo em saudades, porque, de uma casa de saúde, por melhor que tenha sido o tratamento, o importante é a re

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Receba nossas atualizações

51 99616 7059

  • Branca Ícone Instagram
  • arroba

© 2020 by Bittencourt Branding | Nova Folha Regional | All Rights Reserved