• Nova Folha Regional

Vale a pena ter um propósito


Por Daniel Ramos


*Diretor de Comunicação, Relações Institucionais e Sustentabilidade da CMPC



Em meio a uma revolução de tecnologias, tendências e novos consumidores, estão as companhias, buscando ser conhecidas e reconhecidas. É um caminho desafiador, que ainda impõe mais obstáculos como instabilidades econômicas ou até mesmo uma pandemia jamais imaginada.

Não há uma fórmula, mas há as empresas que acreditam em propósitos. Isto dá uma visão de longo prazo, um planejamento sustentável e proporciona humanidade para entender que o relacionamento com pessoas e meio ambiente é fundamental para prosperar.

Michael Porter e Mark Kramer escreveram para a Harvard Business Review que “é preciso reconectar o sucesso da empresa ao progresso social. A solução está no princípio do valor compartilhado, que envolve a geração de valor econômico de forma a criar também valor para a sociedade”. Isto significa a companhia entender o seu papel dentro do contexto em que está inserida para gerar desenvolvimento.

Para a CMPC, mais do que um propósito, isso é uma prática diária que solidifica a posição da companhia como uma agente de transformação social, transcendendo seu papel empresarial. Convivemos com os nossos vizinhos, gerando impactos positivos em mais de 71 municípios. Por meio do relacionamento, diálogo e transparência com a comunidade e órgãos públicos, sempre buscamos entender sobre o que seria um legado para a sociedade, o que faria sentido para aquelas pessoas. As obras de requalificação urbana nos Balneários Alegria e Alvorada em Guaíba são parte disso, uma iniciativa cocriada que gera emprego, segurança e qualidade de vida. Um estímulo para atividade econômica e qualidade de vida da região.


E assim como legado socieconômico, viver em um ambiente melhor é fundamental. Por isso, a filosofia de conservar não se resume às florestas. A bioeconomia pulsa dentro da companhia. Dentro das operações da CMPC, 99,8% dos resíduos gerados pela produção de celulose transformam-se em fertilizantes, chapas de madeira, matéria-prima para cimento, entre outros. Alicerçado ao conceito de Economia Circular, essa é a maneira pela qual historicamente a empresa opera e pratica a sustentabilidade.

Esta é uma indústria inquieta, cuja inovação corre em suas veias, e talvez esteja aí um dos elementos-chaves que tornam a companhia uma protagonista desta nova economia. A CMPC constrói no presente soluções de olho no futuro. Atualmente estamos dentro de cada casa por meio de 40 produtos à base de celulose, aproximadamente. São embalagens de medicamentos e alimentos, papel higiênico, papel toalha, lenços, entre outros. Mas estamos dispostos a criar ainda mais possibilidades, oferecer novas alternativas ao consumidor, cada vez mais exigente e consciente.


Um compromisso social executado de ponta a ponta. O impacto é mensurável quando se observa que para cada colaborador contratado outros sete empregos são gerados; vizinhos se tornaram parceiros para crescimento mútuo; e produção cuida do meio ambiente. Sensação de dever cumprido ao perceber que o trabalho que gerou valor para a companhia, de outro modo gerou valor para a sociedade. Vale a pena ter um propósito.



ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Receba nossas atualizações

51 99616 7059

  • Branca Ícone Instagram
  • arroba

© 2020 by Bittencourt Branding | Nova Folha Regional | All Rights Reserved