• Nova Folha Regional

Walter Galvani

Tédio e estresse

Você sabe até onde o cancelamento dos planos das academias podem lhe levar? Pois, eu não sei. E... parece que ninguém sabe.

Leia sobre o que lhe prometem: acabar com “uma retroalimentação que aumenta o tédio e o estresse, piores escolhas alimentares, piora glicemia e a gordura corporal e todos os índices de gorduras inflamatórias que fazem mal para o corpo”. Como se vê, fica tudo mais complicado e acho que piora também para a alma...

Porto Alegre tem até um responsável pelo “Enfrentamento do Coronavírus” que promete restringir a circulação das pessoas e acabar com o tédio, o estresse, a ansiedade e a depressão. Tomara que consiga. Mas, esses males típicos da vida moderna, não nos parecem tão simples assim de serem extirpados do convívio social, até porque a sua simples nomeação já nos aponta para um caminho difícil. Mas é o que tem que ser feito. Será possível ir tão longe? Ah, isso já é outra questão e nem quero pensar em tudo o que se dirá quando surgir uma proposta simplificadora.

Enquanto isso tem o fechamento prematuro de um comércio de rua, a liquidação de certas atividades, o cancelamento de certas coisas, a escolha pela procura do que vale e do que não vale a pena, enfim toda uma “limpa” – como se dizia a antigamente – e para ver o que sobrou. Com o que, afinal, vai se enfrentar o dia a dia, o combate e a transformação da realidade numa coisa palatável.

Para você, a mensagem especial: pensou que se livraria de todo esse horror com que nos ameaçam diariamente através dos mais simples noticiários?

“Bloquear e fechar tudo!” – essa foi a mensagem que diante de nós se estendeu, diante da impossibilidade de “”ir levando” e tudo contornando, na espera de dias melhores. De março até aqui já se passaram quatro meses e nada melhorou. Ao contrário, quando mais andamos, mais nos afundamos nessa onde de desgraças. E esperamos que seja apenas uma onda.

Menor circulação, paradas cheias, menos transportes coletivos, mais acumulação de dificuldades, na vida privada mais problemas, e pensar que se passaram apenas quatro meses do horror prometido que pode ir muito longe.

De minha parte, já estou de joelhos. Rezando por mim e pelos outros, acreditando que os erros que cometemos não foram tantos assim... Mas, já que estão nos cobrando, vamos estabelecer logo onde é que nos passamos e que se inicie logo a cobrança, meu Pai do Céu... Ou teremos alguém mais próximo para apelar?

Walter Galvani /Coluna publicada em 17 de julho 2020



Posts recentes

Ver tudo

Walter Galvani

Cueca, caleçon, slip Começo dizendo, para os que não me conhecem na intimidade, mas sim pela distância automática das letras impressas, que nasci em 1934, portanto onze anos do fim da guerra que marco

Como manda o figurino

Passei uma temporada em hospital de Porto Alegre. Do qual só tenho registros favoráveis. Não falo em saudades, porque, de uma casa de saúde, por melhor que tenha sido o tratamento, o importante é a re

Ao Mestre Galvani, nossa reverência.

Esta é uma crônica sobre as relações humanas! Tenho a honra de substituir, temporariamente, o titular desta coluna. Uma honra em todos os sentidos, por ocupar seu espaço, por ter sido convidado para e

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Receba nossas atualizações

51 99616 7059

  • Branca Ícone Instagram
  • arroba

© 2020 by Bittencourt Branding | Nova Folha Regional | All Rights Reserved