Reflexões do Agora

AS RIQUEZAS

Luiz Carlos Varella Prati


As riquezas materiais são tão insignificantes, que mal consigo vê-las quando aprecio o horizonte das minhas manhãs feitas de luz. São tão pequenas, nada representam ante o verdadeiro sentido do ser.

Tesouro é o que tens na alma.

É muito frágil a conquista material. De nada te vale acumular riquezas se não tens a certeza do que a vida te propiciará, se não sabes o teu fim diante da escuridão das incertezas que a fatalidade da dúvida te trará.


GOTAS DO PENSAMENTO

- Gotas de silêncio regam o instante quando nada há para ser dito.

- O absurdo é o esplendor do erro! Ambos fazem parte da comunidade das ideias concebidas sem amparo na razão.

- O que falar, quando o tempo flui entre os dedos e as palavras silenciam o que o coração gostaria de dizer?

- Acostumei-me com a distância quando aprendi a conviver com as limitações dos meus passos.

- A fisioterapia da alma exige muitas flexões, muitas massagens no ego e exercícios capazes de propiciar músculos à vontade de recomeçar.

- No refúgio do nada se escondem as ideias que não vieram à luz por absoluta inconsistência.

- Recolhendo misérias na paisagem das cidades, a solidariedade aprendeu que a esperança é o último refúgio do sofredor.


POESIA


O ECO


Luiz Carlos Varella Prati

Os ecos subjugam

As palavras

Quando insistem

Em suas repetições.

Mas

Muitas vezes

Satisfazem amores

Repetindo o nome

Da pessoa amada

Nos desfiladeiros

Dos corações.

Posts recentes

Ver tudo

Reflexões do Agora

Por Luiz Carlos Varella Prati MINHA CIDADE (Guaíba) Quando ando pelas ruas da minha cidade sempre tropeço na minha infância. É que as calçadas por ode andei ainda guardam meus primeiros passos. Mudanç

Reflexões do Agora

FINAL Por Luiz Carlos Varella Prati A pá que cava o buraco na terra e planta o grão na esperança do fruto, é a mesma que encerra uma vida, na sutileza da hora final da sepultura. MENINA/Por Luiz Carlo

Reflexões do Agora

Por Luiz Carlos Varella Prati FLAGRANTE Claridade e luz... A hegemonia sobre a escuridão! Uma sinaleira apagada, em contradição com o momento. Um bêbado distraído, em sua introspecção cruzando a rua.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS