Recortes Cotidianos

Breve biografia


Meu nome é Natália Carvalho, tenho 35 anos. Quando pedem pra falar sobre quem somos, a primeira versão que vem é a profissional: sou publicitária, mestranda em comunicação. Trabalhei em agências de comunicação e publicidade, depois fui atuar em departamento de marketing.

Agora vem a parte difícil: quem sou eu além de onde trabalhei, do que estudei e estudo?

Como estou me apresentando pra leitores de Guaíba, acho importante situar, porque aqui, se a gente não conhece alguém, a gente ao menos sabe que é ou já ouviu falar. Eu posso ser a Natália que estudou no tradicional Gomes Jardim, do jardim ao terceiro ano (aquela que era de um grupo de doidas, que ia de sala em sala fazendo apresentações de dança e a gente achava que era o maior sucesso, mas na verdade o pessoal ficava feliz porque nossas apresentações tomavam tempo de aula). A Natália que era do ONDA, grupo de jovens. Posso ser a Natália que foi do consulado do Inter, que era conselheira até o ano passado.

Durante a infância e adolescência, quando eu falava de alguma amiga nova (ou amigo!) aqui em casa, meu pai sempre perguntava: “É filho (a) de quem?” e normalmente ele dizia: “ah, filha do meu amigo Fulano, íamos juntos jogar bola na Celupa” ou algo do tipo. Então, aos amigos e amigas do meu pai, me apresento: sou filha do o Chico, (aquele que apitava futebol de salão). Aposto que alguém lembrou dele!

E agora, a resposta mais provável, que eu daria hoje: sou a mãe da Marina, uma guriazinha linda que, no auge dos seus quatro anos de vida, é mais esperta do que nós. E aqui, me perdoem, mas eu babo mesmo e não sinto nem culpa por isso. Tenho certeza que, daqui uns anos, estarei eu perguntando pra ela: “Marina, qual o nome da mãe e do pai do teu coleguinha? Ah, conheço! Estudava lá no Gomes também”! Porque Guaíba é assim. Porque a vida é assim: cheia de ciclos que terminam e recomeçam, mas que a gente sempre lembra com muito carinho. E é exatamente sobre isso que eu vou escrever nessa coluna (que chique!) a cada quinze dias: sobre as sutilezas, alegrias, encontros e surpresas do cotidiano simples. Espero que se divirtam comigo!

Posts recentes

Ver tudo

Recortes Cotidianos

Qual o desejo da criança que mora aí dentro? Natália Carvalho* naticarvalhoo@gmail.com Ter um filho ou uma filha nos desarma de uma moldura rígida que vamos adquirindo com o passar do tempo. Antes de

Recortes Cotidianos

A elegância que reside na discrição Natália Carvalho* naticarvalhoo@gmail.com Esses dias vi um story (aquelas postagens rápidas no Instagram, que somem em 24 horas), de uma conhecida que postou toda a

Recortes Cotidianos

A culpa vem no combo da maternidade Natália Carvalho* naticarvalhoo@gmail.com A gente cresce ouvindo que precisa estudar pra ser alguém na vida. Estuda. Termina o ensino médio, vai pra faculdade. Namo

ÚLTIMAS NOTÍCIAS