• Nova Folha Regional

Walter Galvani

Longe ou perto


C omeçar do zero, depois de anos de acesso, não vale. É covardia e falta de consideração para com todos os que me antecederam nessa rude faina de trabalhador das palavras, que não contaram com os milagres da técnica para simplificá-la e aumentar-lhe o alcance.

Agora é assim mesmo e, como todas as épocas tem a sua mecânica, é “adaptar-se ou sair de cena”. Em nosso caso atual, é tão grande a concorrência, que o simples hesitar, devo ou não tomar essa ou aquela atitude, já abre o espaço para os mais vivos e sagazes, que estão chegando aí com soluções mais modernas e, portanto, eficazes. Sim, é isso mesmo, nem adianta espernear porque, diante do domínio das máquinas sobre os humanos, não há tergiversação possível.

Não pensou sobre isso ainda? Então, vá pensar e só volte aqui com a solução na cabeça. O resto da ação é mera consequência de suas decisões e, olhe lá, que isso já muita concessão.

Atualmente, o que você pretende publicar, já é todo um desdobramento de suas verdadeiras intenções.

Pensando bem, obrigá-lo a ser mais cuidadoso com o que escreve e até que ponto aquilo corresponde ao que efetivamente pensa, já é um senhor desafio, que a velocidade dos tempos modernos o obriga a ter. E manter. Perdendo o trem, perderá a oportunidade de tornar público o seu pensamento sobre as coisas que sucedem a seu redor e longe ou perto, não importa, podem ainda receber um atalho aqui, uma contribuição ali, significar que você está vivo. E, portanto, em condições de participar, partilhar, discutir ou debater o que sucede à sua volta, longe ou perto.

A mudança se deu sem a sua concordância... O que, aliás, não interessa. Antes de começar a bater este artigo, esta singela colaboração, já estaria definido o que interessa e a sua posição, como uma espécie de resultado de uma longa elaboração social, também.

Ah, você também pode se tornar uma espécie de revolucionário e destruir com as armas intelectuais que lhe restam, qualquer desvio. Pense nisso.

Eu falei claramente em “armas intelectuais”, porque aonde estaria sua credibilidade e qual seria o seu alcance, se decidisse, nesse momento de sua vida e carreira, pegar em armas reais e virar revolucionário?... Difícil, não?

Então, quando você parece estar exausto com tanta picaretagem, cansado de tanta exploração, resolver agir, será tarde.

Sente e reinicie seu pensamento. Antigamente reverenciava-se um antigo poeta português que havia cunhado a frase: “Tudo vale a pena, quando a alma não é pequena”...

E hoje, o que pensa você? Será que, o bom mesmo não seria ter uma alma pequena?...

Coluna publicada em 24 de julho 2020/Walter Galvani

Posts recentes

Ver tudo

Walter Galvani

Cueca, caleçon, slip Começo dizendo, para os que não me conhecem na intimidade, mas sim pela distância automática das letras impressas, que nasci em 1934, portanto onze anos do fim da guerra que marco

Como manda o figurino

Passei uma temporada em hospital de Porto Alegre. Do qual só tenho registros favoráveis. Não falo em saudades, porque, de uma casa de saúde, por melhor que tenha sido o tratamento, o importante é a re

Ao Mestre Galvani, nossa reverência.

Esta é uma crônica sobre as relações humanas! Tenho a honra de substituir, temporariamente, o titular desta coluna. Uma honra em todos os sentidos, por ocupar seu espaço, por ter sido convidado para e

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Receba nossas atualizações

51 99616 7059

  • Branca Ícone Instagram
  • arroba

© 2020 by Bittencourt Branding | Nova Folha Regional | All Rights Reserved