top of page

Crônica

Atualizado: 18 de nov. de 2023

Cativar



Tatiane de Almeida do Prado

Escritora e estudante de Letras/@tatianea.prado



Quem leu “O pequeno príncipe” sabe que, embora não seja um livro para gente grande, trás dois grandes ensinamentos. O primeiro deles é: O que é cativar?
Conforme a explicação da sábia raposa: “É uma coisa muito esquecida, significa criar laços”.
Particularmente essa é uma definição que me agrada muito, pois não há quem consiga ler tais palavras sem sentir uma centelha iluminar e aquecer a alma, quando a raposa diz: “ Tu não és ainda para mim senão um garoto inteiramente igual a cem mil outros garotos. E eu não tenho necessidade de ti. E tu não tens também necessidade de mim. Não passo a teus olhos de uma raposa igual a cem mil outras raposas. Mas, se tu me cativas, nós teremos necessidade um do outro. Serás para mim o único no mundo. E eu serei para ti única no mundo...”
Vivemos atualmente em um mundo individualista, repleto de egoísmo e inquietação. As redes sociais trouxeram evolução e, ao mesmo tempo, nos fizeram regredir, pois é possível ter milhares de amigos e no entanto não ter nenhum. Em nossa rotina acelerada, onde tudo é urgente, quando os vídeos precisam ser curtos, os textos devem ser breves e a espera na fila não pode passar de cinco minutos, se tornou impossível criar novos laços com a intensidade de alguns anos atrás. Como a própria raposa nos lembra: “Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm mais amigos”.
Deixe a pressa. Olhe em volta e veja, realmente veja as pessoas que estão ao seu lado. Observe como são cheias de luz, sonhos, cicatrizes, uma imensidão de sentimentos, desejos e afeto. Somos únicos em nossa essência, temos dentro de nós um vasto mundo, aguardando para ser explorado.
Após perceber isso, permita-se então ser cativado e também cativar. Mas não esqueça do segundo ensinamento: “Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas”.
* Escritora e autora do livro Cartas para Dione




Posts recentes

Ver tudo

Jus Postulandi

1989. Uma máquina de escrever e uma caixa de papel contínuo (os mais jovens não conhecem) e, para não ter o trabalho de trocar de folha, escrevia rapidamente observando apenas o picote entre uma folha

Recortes Cotidianos

As oportunidades surgem ao andar Natália Carvalho* naticarvalhoo@gmail.com H á um ano eu estreava como colunista neste jornal. Um convite totalmente inesperado, mas que me deixou muito feliz, afinal e

Comentarios


ÚLTIMAS NOTÍCIAS

bottom of page