• Nova Folha Regional

Coluna do Jorge Cabral

EM NOME DO PAI E DO FILHO

Aprendi com um velho amigo, na época ainda jovem, que não basta dois jogadores chocarem-se ombro a ombro para que a jogada ou esse ato desportivo seja aceito como correto. Existe a necessidade para que seja permitido este expediente corporal no futebol, imprescindível, na disputa o objetivo precípuo da bola, o que no meio acadêmico é ou era denominado jogada “legal-legal”.

No entanto, quando o intuito é a atingir o ombro do adversário tendo a bola como interesse secundário, o comportamento é ilícito, passível de aplicação das penalidades advindas do ato na intensidade e nas conseqüências da conduta denominada “legal-ilegal”. Legal porque foi com o ombro, mas como objetivo foi o corpo do outro antes da bola, considerado é ilegal.

A lição ficou para sempre como metáfora de tantas situações que vemos na sociedade aparentemente legal, mas revestida com o pano de fundo da imoralidade dos interesses diversos da razão da sua existência. Razão pela qual existem leis e decretos com essas conotações, mas ferem princípios mais elementares de valores éticos e respeito aos cidadãos, ainda mais quando o Estado utiliza-se das prerrogativas do “Poder de Príncipe”, desequilibrando as relações do contrato social à bem da sua vontade com prejuízo a população.

Os cidadãos têm que cumprir com sua obrigação, o Estado age respaldado em leis corrompidas pelos interesses da Corte, produzidas por vassalos que agradam os castelos e seus ocupantes, protegendo-se e perpetuando-se no Poder. Formam verdadeiras dinastias com discursos sacrais, exaltando até divindades em nome do Pai e do Filho, que na verdade são suas próprias estirpes, preparando-os para assumir o poder depois deles. Tudo através de jogadas legal-imoral. Parafrasendo o dito popular - Diga o que fizestes no teu mandato, que o povo dirá nas próximas eleições filho de quem és e o que deveria ter feito.

Jorge Claudio de Almeida Cabral
Jorge.cabral@terra.com.br
Advogado e Escritor

Posts recentes

Ver tudo

Jorge Cabral

A ética imoral Existem indivíduos que ocupam cargos públicos que quando aparecem produz uma certa náusea por seus comportamentos asquerosos, pois tomam atitudes contrárias da boa conduta, assim con

Jorge Cabral

SÌNDROME DE PETER PAN O clássico infantil do escocês James Matheus Barrie, escrito em 1902 conta a fábula de um menino que não queria crescer. Habitante de um país imaginário chamado Terra do

Jorge Cabral

JULGUES E SERÁS JULGADO O aforismo cristão de não julgar os outros, tem ao meu ver em sua acepção, que não devemos condenar os outros moralmente de modo objetivo, pois não temos a capacidade d

ÚLTIMAS NOTÍCIAS