a sombra escrita da imagem

73. Poema silencioso

{Altair Martins]

Escritor e professor


[foto de Leonardo Sessegolo]


A escrita já estava

onde um fundo qualquer

de mundo

segurava suas figuras

depois do assobio.


Estava onde a luz

emprestava os olhos

e apressava os contornos

da caça

contra o azul.


Esteve depois no barro

onde vacilavam

sentidos e sons

para a matemática e a memória

dos seres.


Escrevia (a escrita)

feita de código e linha e

e resignação: nunca pôde

ir além de sua existência

de horizonte inacabado

que aguarda o asilo e a tradução.


Desde cedo,

a escrita aceitou que não fosse

o mundo para o qual apontava

(mesmo quando apontava

pra página do nada).


E assim como uma árvore

(que não cresce pro chão),

a escrita escutou o que a fala disse

e, em silêncio,

redisse.


CONFIRA- Áudio do texto narrado pelo autor

Altair Martins : https://drive.google.com/file/d/18u8X3YuqNrKPoKpb1vHhDNW0on0WnFPw/view?usp=sharing






ÚLTIMAS NOTÍCIAS