A cor da humanidade é a igualdade - Jorge Cabral


Há alguns anos foi publicado o livro “ advogados e Tribunais”, sobre o filme com o título Separados Mais Iguais, que trata sobre efetivamente o racismo, desencadeado pela proibição das crianças negras de compartilhar o mesmo ônibus escolar com as crianças brancas. Coube a mim o comentário deste filme no próprio livro que reproduzo a seguir: O caso verídico ocorreu em 1954 e ficou conhecido como “Brow Contra a Secretaria de Educação”. Escrevi que incontestavelmente existe em certas sociedades humanas inerente resistência à mistura das raças que até certo ponto, poderia se dizer natural. Pensando, assim, é plausível justificar em algumas etnias este sentimento mais aflorado de preservação, ato instintivo da perpetuação da espécie racial.

O homem como animal pensante, em certas sociedades, sublima tal sentimento, aparentando uma igualdade para a sobrevivência pacífica. Em outras, cria um profundo sentimento político nacionalista como “pano de frente”, para resistir à perda da identidade racial, tratando o estrangeiro em desconfortável situação de permanência, demonstrando não ser sua região nativa.

Embora possa se admitir este sentimento natural de sobrevivência da própria espécie racial, é de se repudiar qualquer tratamento de desigualdade de seres humanos por raças distintas numa mesma sociedade, ainda mais, quando reconhecidamente são seus cidadãos.

O filme separados Mas Iguais, retrata um marco histórico na questão racial americana, levado pelo advogado negro Thurgood Marshall até a Suprema Corte, onde é mostrado as filigranas dos bastidores do julgamento. O juiz relator utiliza meios intrigantes para o convencimento dos demais juízes, é a oportunidade de vê-los como seres humanos comuns, com suas inquietações e dúvidas diante de uma decisão importante, com reflexo em toda nação. É o desnudamento de homens aparentemente inabaláveis, visto de dentro para fora, onde suas convicções e seus sentimentos diante do caso, são postas em confronto com o que pensam, com o que sentem, e com o que seja melhor para a sociedade e para a humanidade. É amostra inexoravelmente verdadeira da importância do julgamento em colegiado, onde a influência pode modificar uma decisão para melhor.

É a mais singela e complexa demonstração que a grandeza de um juiz nem sempre se dá pela imposição da prevalência de suas idéias, e sim no fato do reconhecimento que seus princípios e conceitos são menores diante do interesse da sociedade, do país e de seus cidadãos. É a demonstração do progresso humano social, pela simples razão de que as crianças negras ou brancas americanas estavam SEPARADAS apenas pela cor da pele, MAS sempre foram e serão IGUAIS seres humanos.



Jorge Cabral

*Advogado

jorge.cabral@terra.com.br

Posts recentes

Ver tudo

Jorge Cabral

A ética imoral Existem indivíduos que ocupam cargos públicos que quando aparecem produz uma certa náusea por seus comportamentos asquerosos, pois tomam atitudes contrárias da boa conduta, assim con

Jorge Cabral

SÌNDROME DE PETER PAN O clássico infantil do escocês James Matheus Barrie, escrito em 1902 conta a fábula de um menino que não queria crescer. Habitante de um país imaginário chamado Terra do

Jorge Cabral

JULGUES E SERÁS JULGADO O aforismo cristão de não julgar os outros, tem ao meu ver em sua acepção, que não devemos condenar os outros moralmente de modo objetivo, pois não temos a capacidade d

ÚLTIMAS NOTÍCIAS