>Na semana do dia do pedestre, projetos incentivam a caminhada

Na semana do dia do pedestre, projetos incentivam a caminhada

Benefício saudável

Terça-feira (8) é o Dia Internacional do Pedestre. Eventos e atividades são promovidos em todo o mundo com o objetivo de incentivar a população a usar métodos menos prejudiciais ao meio ambiente, como caminhar e andar de bicicleta 

Em várias cidades do Brasil, uma extensa programação de atividades relacionadas ao caminhar. O estímulo à caminhada para ir ao trabalho, à escola, ao parque ou ao supermercado é o objetivo principal do projeto. Também serão promovidos debates e palestras, além de ações organizadas por prefeituras, empresas e instituições. 

Caminhar, assim como andar de bicicleta, skate e afins, contribuem para a conservação do planeta. Atividades com as citadas diminuem a emissão de gases poluentes. 

De acordo com um relatório elaborado pelo Instituto de Energia e Meio Ambiente (Iema), com base nos dados do Sistema de Emissão de Gases de Efeito Estufa (Seeg), as emissões de gases de efeito estufa de carros e motos aumentaram no Brasil nas últimas duas décadas – um crescimento de 192% entre 1994 e 2014. 

Outro fato importante sobre a caminhada é que, com o crescente aumento dos preços do combustível, fazer pequenos trajetos a pé atingem diretamente no controle de gastos da família. 

Caminhar também faz bem à saúde já que é uma atividade física indicada por cardiologistas que não só ajuda a emagrecer e manter a saúde do coração, como também diminui a ansiedade e estresse, por exemplo. Os benefícios da caminhada diária, calculando a partir de 2 horas e meia de atividade por semana, são muito variados e podem incluir: 

Redução do inchaço nas pernas e tornozelos;  

Prevenção da obesidade e ajuda a perder peso;  

Melhora da circulação sanguínea;  

Fortalecimento de todos os músculos do corpo; 

Melhora da postura corporal;  

Melhora da ansiedade e estresse;  

Relaxamento dos músculos da nuca e dos ombros;  

Prevenção de complicações cardiovasculares, como infartos e hipertensão.  

A integração da caminhada ou pedalada de modos ativos interferem também na constituição da cidade. Ainda esbarramos no debate anacrônico sobre a construção de ciclovias/ciclofaixas, entretanto as calçadas plenamente transitáveis e seguras para crianças, jovens, idosos e pessoas com deficiência não são motivos de debate já que são responsabilidade primária dos municípios quanto à sua feitura, manutenção e adaptação para fins de acessibilidade.